DO SENTIDO DADO AOS PASSOS, AOS PASSOS QUE NOS CONSENTIMOS DAR... JAMAIS OS MESMOS DEPOIS DE TRILHAR O DESERTO BRANCO

30
Jan 09

"A necessidade aguça o engenho" e porque os peixes-fêmea de vários lagos africanos, ao invés dos machos monogâmicos, andam numa verdadeira desbunda, os espermatozóides tentam desesperadamente acompanhá-las para assegurar que a sua progenitura se perpetuará.

Por isso, alguns são maiores e movem-se mais depressa. Tal foi descoberto e confirmado por uma equipa de cientistas suecos.

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

Já li o livro há muitos, muitos anos.

Só agora vou ver o filme.

O meu cunhado B., num curso de formação profissional feito há cerca de um ano, viu a aura (campos energéticos) de várias pessoas, e a minha irmã, que não fez o curso mas que também lá foi, também viu.

Mais tarde revelarei a razão deste post.


29
Jan 09

 

Yanni no Teatro de Dionísio, Acrópole, Atenas.

Um cenário milenar, uma música que nos apazigua.

publicado por fpg às 15:44

Sabe quem me conhece que sou um bocado esquisita.

Melhor dizendo, selectiva, de acordo com as necessidades do meu organismo (o pior é ele necessitar tanto de gelados Häagen-Dazs, que o novo Maracujá-Manga é duma pessoa perder o tino...), pelo que se sinto necessidade de comer iogurte como iogurte, se ele pede sopa de cenoura com abóbora e tomate, faz-se sopa de cenoura com abóbora e tomate, se são lulas estufadas são são lulas estufadas, se é bife com esparregado lá sai um bife com esparregado e patatipatata.

Mas lá fruta é que ele não pede muito, não senhora.

Para colmatar esse lapso, compro laranjas em doses industriais e bebo sumo.

Adoro sumo de laranja.

De há uns tempos a esta parte, comecei a ficar com pena das cascas (OK, está bem, sou assim porque há muitos anos durante a representação de uma parábola na igreja em Paço de Arcos tive que desempenhar dois papéis na mesma peça, e quando estava a trocar a roupa de rica pela roupa de pobre sentei-me numa cadeira que voou comigo por umas escadas abaixo e eu aterrei com a cabeça na esquina duma mesa e fiquei desmaiada; acordaram-me à bofetada, acabaram de me vestir e fui fazer o final da peça - para além de pobre parecia bêbeda...). Ora, como estava a dizer, comecei a ficar com pena das cascas, de as deitar fora sem lhes dar outro uso, sem as reciclar.

Como o tempo estava bastante seco, resolvi começar a secar as cascas que depois logo se veria.

Há cerca de duas semanas descobri a solução: experimentar fazer doce. Nunca comi, não sei se existe, não vou comer (só gosto de laranja natural, de bolo de laranja ou de torta de laranja), mas logo se vê.

Procurei na internet.

Encontrei uma receita, vi que era possível e entrei em plena criatividade.

Já fiz doce de casca de laranja com canela, doce de casca de laranja com canela e chá de príncipe e doce de casca de laranja com hortelã.

Quem provou, aprovou!

Abençoado trambolhão pelas escadas (mesmo tendo eu virado ateia...).


acabaram-se as dores no pescoço, as dores nos pulsos, as talas imobilizadoras dos movimentos polegares/pulsos, as sessões de fisioterapia e de terapia ocupacional...

Foram necessários não meses mas anos para que aceitasse o que o fisiatra há muito me dizia - o excesso de leitura era o responsável pelos meus problemas de saúde.

Agora, ao escrever sobre o assunto, interrogo-me se o meu prazer de ler seria um passatempo ou um vício/compulsão.

Na prática acho que era a minha forma de passar o tempo.

Não tenho muita paciência para séries televisivas.

Cada vez menos.

Nunca consegui ver um episódio inteiro (nem meio) de Friends, Sienfield, etc.

Detesto as séries gravadas ao vivo em que a audiência se manifesta de acordo com a exibição de cartazes "rir", "gargalhar", "chorar", "sorrir", bater palmas", "chiar", "bater com os pés", "vomitar, despir, ficar nú" (se os mandarem).

Não quer isto dizer que não siga uma ou outra que ache interessante, normalmente as de cariz histórico ou algumas policiais mas que têm que ser verosímeis, e outras como Allie MacBeal e Sex and the City.

No caso destas últimas vi as primeiras séries mas depois perdi a paciência pois aquilo começa a arrastar-se, fica estilo "nem o pai morre nem a gente almoça", a arranjarem assunto para mais episódios, que já não têm nem a graça, nem o interesse, nem a expontaneidade dos primeiros.

Por isso prefiro os livros.

Mas, como disse, em 2008, li muito menos.

Para passar o tempo, depois de ter visto "A Casa das Sete Mulheres" pelo You Tube (porque começou enquanto eu estava de férias na abençoada Grécia), vi também "Duas Caras", "Beleza Pura", "A Favorita", e estou a acompanhar "Mulheres Apaixonadas", "As Três Irmãs" e "Caminho das Índias"!

Pois é!

Converti-me às telenovelas brasileiras!

Delicio-me com as músicas.

Deslumbro-me com os desempenhos de alguns actores/actrizes, porque são simplesmente es-pe-cta-cu-la-res!

E em Português! Estou farta dos enlatados em inglês.

Também gosto do facto de em todas serem abordadas diversas temáticas polémicas e pertinentes da realidade brasileira contemporânea e, em alguns casos, da realidade mundial.

Este sistema de ver as telenovelas de enfiada faz-me lembrar um capítulo de "Mulherzinhas" em que a Jo trabalha como dama-de-companhia em casa de uma senhora idosa e tem de ler-lhe livros em voz alta...

O computador é a minha Jo: vai-me contanto as histórias, em Português, em vez dos pulsos dói-me o cóccix (porque o tenho no colo horas a fio...) e fico com os calcanhares dormentes, mas pelo menos, até ver, não tenho de fazer fisioterapia.

E não deixei de ler.

 


28
Jan 09

Para esse, só cadeia ou paletó de madeira!

publicado por fpg às 14:11

26
Jan 09

 

Tomei conhecimento deste vídeo através da Mor .

Hoje começou o Ano do Búfalo; segundo dizem é trabalhador e previdente.

Dado que grande parte destas situações ocorrem em países do Sudeste Asiático, que o Búfalo proteja todas as crianças vítimas desta desgraça e que impeça que esta praga continue a alastrar sem contenção.

 


Não sabe se há-de casar ou compar uma bicicleta...

publicado por fpg às 15:14

É como estou graças a este briol esperado mas indesejado.

Num dia ando de T-Shirt, dois dias depois tenho de pôr não sei quantas caxemiras em cima, dormir com saco de água-quente, lençóis de inverno, 11 cães, meias...

A temperatura desceu muitos graus, qualquer que seja a escala. Prefiro nem saber quantos porque isso ainda me deixa mais deprimida.

Só de pensar que se não tivesse partido o dedo, o mais provável seria estar a milhas de distância daqui a esta hora, num qualquer bem quentinho sítio...

Bem provavelmente no Rajastão, apesar daquele sistema de castas me estar a irritar bastante, mais o tratamento dado aos intocáveis e às mulheres, principalmente quando elas só têm raparigas em vez de rapazes.

Ó gente tacanha e desinformada! Quem determina o sexo são os machos!

Acho que se deveria fazer uma campanha de esclarecimento sobre este assunto a nível mundial.

Talvez se evitassem alguns dos maus tratos perpetrados contra mulheres em muitos países, por familiares frustrados ignorantes.

Ainda hei-de voltar a este assunto.


20
Jan 09

Agora que Barak Obama está a minutos de tomar posse espero que entre as suas prioridades em termos de política externa esteja pôr um freio em israelitas e palestinianos.

Que ajude a melhorar a economia mundial e a criar harmonia entre raças, credos e visões partidárias (que no fim vai tudo dar no mesmo).

E que quem lhe siga os passos em termos de adopção de animais, não se arrependa do entusiasmo demasiado depressa. Nem nunca.

Que hoje comece uma fase que não desiluda os muitos milhões que estão cheios de esperança.

Eu gostaria de os ver felizes.


Para os que se consideram mentalmente sãos, as óbvias manifestações de demência de familiares ou amigos são preocupantes.

Ora apesar da minha absoluta e total ignorância científica sobre a matéria vou referir-me a casos práticos e analisá-los do ponto de vista dos doentes.

Lembro-me de, há uns anos atrás, nos rirmos bastante porque a mãe/avó de uns amigos, que ficou senil, "partiu" para um mundo de contos de fadas onde era constantemente convidada por príncipes para ir a festas e bailes. Normalmente quando os netos a visitavam no lar onde vivia encontravam-na sempre bem disposta e com coisas boas para lhes contar.

Não é preferível viver assim?

Se a avó Fanfana não tivesse feito esta fuga para a frente provavelmente, com o pelo na venta que tinha, teria sofrido imenso a viver no lar...

Ou quiçá, talvez o facto de ter ido para o lar a tenha feito partir para o mundo dos contos de fadas...

Na minha família estamos a lidar com uma situação de fuga mas para o passado.

A tia Nini perdeu a filha única há cerca de 20 anos; esta morreu com 40 anos, solteira, depois de ter vivido toda a vida com os pais. O tio Luis morreu há 3 anos.

Resultado: depois de 60 anos de casamento, de ter vivido a vida toda para o marido e para a única filha a minha tia vê-se sozinha, sem mais filhos, sem netos, em Coimbra, cidade que não quer deixar de maneira nenhuma.

Depois da morte da minha prima habituei-me a ver a minha tia chorar com bastante frequência. Foi ferida que jamais sarou.

Após a morte do meu tio pouco estive com ela, pois só voltei a Portugal duas vezes e a sua cabeça já começava a apresentar traços de confusão, mas nada de muito significativo (lapsos de memória e trocar os nomes das pessoas). A grande fuga começou há cerca de um ano e meio.

A tia Nini partiu para o passado, para o tempo em que os meus avós eram vivos, em que as tias, irmãs do avô, ainda vivam na Fopa - Penela, em que o meu pai ainda era solteiro!

Quando está nessa época a tia não chora. Preocupa-se com eles mas não chora. Só chora quando volta ao presente.

Por isso prefiro que ela esteja no seu mundo feliz do passado.

Mesmo que isso signifique que ela não volte a reconhecer-me.

Cansei-me de a ver chorar no fim do Séc. XX e no Séc. XXI.

Estes dois casos que referi são pouco problemáticos em termos de tratamento, apesar de no caso da minha tia já não ser possível viver sozinha, pois tal constituíria um sério risco para a sua segurança e saúde.

 


19
Jan 09

Concorda ou sem corda?

publicado por fpg às 15:54

Não sei se o fenómeno que deste lado acontece se verifica noutras latitudes, mas os povos orientais adoram naftalina!

Pelo menos os chineses e os filipinos.

A minha empregada quando sai para fim-de-semana fede a naftalina.

Agora estamos na fase do ano em que, na rua, as pessoas parecem armários andantes.

Porque é que não usam cânfora?

Quando ainda por cima são tão famosas as arcas de madeira de cânfora...

Há bastantes anos, quando vivia no Edf. Hoi Tin, tive uns vizinhos que saíam todos bem arreados mas que pareciam umas estátuas feitas em naftalina!

Como é que é possível?

Porque é que não arejam as roupas antes de as usarem?

Quem iria adorar este panorama era o protagonista de "O Perfume": as zonas de venda de peixe seco, as farmácias chinesas que secam medicamentos fedorentíssimos à porta, as cozinhas ambulantes que vendem aquelas tripas malcheirosas perto da Livraria Portuguesa e os blocos de naftalina com pernas...

Tenho a certeza! Fariam dele um homem feliz!


 

Compreendem agora tudo o que escrevi em posts anteriores?

publicado por fpg às 14:37

 

Aqui fica a prova dos 10 cães que, no post "Hotel for Dogs", disse que estavam comigo na cama.

Agora estão só 8...

publicado por fpg às 14:24

17
Jan 09

Não sabe se há-de ir para a marinha ou para costureiro...

publicado por fpg às 15:51

16
Jan 09

 

Um filme a não não perder que, espero, deixe marcas...

Estou desejosa de o ver.

Apesar de, aqui por casa, muitas vezes o panorama não ter sido diferente - neste exacto momento divido a cama com 10.

Estou sem saber o que hei-de fazer às pernas...


15
Jan 09

- Já estás acordada?

 

- A que horas me vens buscar?

 

- Porque é que não me telefonaste?

 

- Podes trazer alguns cães?

 

-Como é que está o teu dedo?

 

Tudo isto são algumas das diferentes questões colocadas pela Laura em início de conversa telefónica comigo.

Desde que decorou o meu número.

O primeiro e único número de telefone que decorou até agora...

Claro que todo o mérito pertence à Matilha Amestrada, que faz de mim a tia mais desejada!


14
Jan 09

 

que reflectem o que tantos de nós pensamos e sentimos - que se faça Paz, que haja Paz, que se viva em Paz.

Mas enquanto o Mundo for dominado pelo Homem as "lutas de galos" jamais cessarão.

Há muita sede de sangue, eternas questões fálicas nunca solucionáveis.

 

publicado por fpg às 05:00

13
Jan 09

 

 

Um fedor sufucante. Verdadeiramente horroroso.

Só no final soube que espalham amoníaco para afastar as cobras!

publicado por fpg às 15:33

Apesar de me terem dito que não valia a pena, nada como avaliarmos por nós próprios.

Porque para muitos as pirâmides de Giza foram uma decepção e para mim foram um encantamento.

Por isso resolvi entrar e viver a experiência de caminhar naqueles corredores a pique, claustrofóbicos e malcheirosos...

Se valeu a pena? Não me arrependo.

E senti-me feliz por só ter um metro e cinquenta e seis!

 

publicado por fpg às 15:06

09
Jan 09

ou seja, andar ao lixo, ir "de ventas à torneira" e partir um dedo.

Pois, foi mesmo o que me aconteceu.

Quando a 24 de Dezembro me preparava para, ainda, ir às compras reparo, ao sair de casa, que uns vizinhos tinham posto plantas no lixo; fiquei com pena das desgraçadas que não estavam mortas, e que podiam ter uma nova chance no meu novo jardim, e vá de ir buscar os vasos. Pelo meio, com a habilidade que me é peculiar, enfiei o pé no único buraco que existia entre mim e o lixo; fiz um vôo picado e aterrei em cima da mão o que me provocou uma dor até à alma - não só porque me magoei a sério mas porque fiz figura de "urso" a que, só por muita sorte, ninguém assistiu.

Voltei para casa a "lamber" as feridas, e como só o anelar esquerdo estava um trambolho mas mexia, resolvi ir à minha vida e continuar com os planos anteriores.

Toca de ir para o Hyper Gourmet, que estava uma verdadeira sala-de-convívio, fazer as compras, aproveitar os peitinhos de pato congelados para tentar desinchar o dedo, pagar e voltar para casa.

Face às evidências de que algo não estava bem, lá fui de rota batida para as Urgências do Conde de S. Januário...

Depois de 4 horas entre espera, atendimento, espera pelo cirurgião plástico e dedo entalado (dentro duma tala), lá voltei para casa de "orelha murcha".

O dedo estava mesmo partido, a recuperação é duvidosa porque foi na articulação e a PDIa já se faz sentir.

Valeu a simpatia e o cuidado dos médicos que me atenderam, principalmento do CP, que até me pediu desculpa por me ter feito estar tanto tempo à espera dele - por pouco não teve de me tratar também do queixo tal foi o meu espanto.

Pena que este profissional como encontrei poucos, esteja de partida para Pequim, pois acaba a comissão de 2 anos que veio fazer aqui em Macau.

E "prontos", por aqui ando, quase em prisão-domiciliária, porque estou de atestado médico, não me dá jeito guiar e com a tala também não me dá muito jeito escrever.

A vantagem é poder controlar as obras que resolvi fazer na casa nova, porque não há dúvida que o "olhar do dono engorda o gado".

 

 

publicado por fpg às 14:16

 

 

Aqui está um pequeno filme só da múmia do não maior, mas mais famoso faraó de todos os tempos.

publicado por fpg às 13:37

08
Jan 09

 

 

 

Estou quase a acreditar nela...

Ando desde Outubro para colocar aqui no Passo as criptofilmagens que fiz no Egipto, ou seja, os filmes que fiz às escondidas onde não nos deixavam fazê-los às claras..

Já tinha lido no Lonely Planet que, a troco de uns dólares ou euros, os guardas dos monumentos faziam "vista grossa" aos nossos esforços para eternizar os momentos passados junto aos milenares testemunhos da civilização da terra dos papiros.

Nenhum dos guardas foi parar aos tão temidos "calabouce" e lá fui fazendo a minha recolha, umas vezes com a cumplicidade deles, outras apenas com o meu engenho.

As mais valiosas imagens foram feitas com o telefone (dava menos nas vistas do que a máquina fotográfica ou de vídeo) cujo sistema não era aceite pelo Sapo Vídeos - 1a. maldição.

Resolvida esta situação por uma melhoria do sistema (obrigada equipas do Sapo), consigo preparar a postagem do vídeo de Tutankamon, mas engano-me e em vez do vídeo feito com "autorização" do guarda coloco o primeiro que fiz, sem autorização de ninguém - o que é gritante e óbvio... - 2a. maldição!

Quando me apercebo do lapso e tento colocar o filme certo, eis que os filmes estão todos bloqueados... Não que raio de azelhice fiz, mas não consigo abrir nenhum dos "movies" feito com o télélé... se isto não é a 3a. maldição vou ali e já venho...

Bem, até que o problema esteja solucionado, aqui ficam as imagens recolhidas no túmulo de Tutankamon, a 21 de Setembro de 2008.

Melhores imagens hão-de vir!

Que o ano ainda agora está a começar...

publicado por fpg às 15:07

Janeiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12

18
21
22
23
24

25
27
31


RSS
mais sobre mim
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.